quarta-feira, 1 de junho de 2016

Tangará também não cumpre com RGA e vereador chega a sugerir que servidores façam greve

Adicionar legenda
O foco ontem na Câmara Municipal foi a greve dos servidores públicos do Estado de Mato Grosso. Começou com o professor Rogério Añes, da Associação dos Docentes da Unemat (Adunemat) que ao usar a tribuna para falar sobre os motivos da greve dos servidores do Estado chamou a proposta do governador Pedro Taques (PSDB) de ridícula.

A proposta ridícula de Taques prevê reajustar o salário dos servidores em 5% dividido em duas etapas, sendo a primeira de 2% em setembro e a segunda de 3% em janeiro de 2017. O direito de reajuste previsto em lei desde 2004 é de 11,28%. “A lei do RGA funcionou até 2014, mas a partir de 2015 não funcionou mais”, disse o professor. Ou seja, segundo ele a lei começou a ser descumprida pela atual gestão.

A partir daí os discursos dos vereadores foram em defesa do direito dos servidores. Até mesmo os vereadores Vagner e Fabão, ambos do PSDB, partido do governador, defenderam o direito da classe.

O vereador do PT, Weliton Duarte, o “Coquinho”, propôs uma moção de apoio ao movimento grevista e disse que Taques ainda mostrou a que veio. Niltinho do Lanche (PMDB) repudiou Taques, dirigiu-se aos servidores da Unemat presentes e afirmou que o Estado não está ausente apenas com o RGA. “Está ausente com Tangará, com a Saúde, com o prédio do Detran, recebeu 69% dos votos em Tangará e nos abandonou”, disse.

Utilizando o gancho da greve dos servidores do Estado, os vereadores Sebastian Ramos e Luiz Henrique (PSB) afirmaram que o RGA (Reajuste Geral Anual) dos servidores do Município de Tangará também está errado. “Foi aprovada na Câmara uma lei errada, nosso RGA também está errado”, afirmou Luiz.


“Esta cidade também está ilegal”, disse Sebastian ao sugerir que os servidores municipais também se mobilizem e paralisem juntamente com os servidores do estado. Bem, está errado porque o prefeito Fábio (PMDB) pediu e os vereadores aprovaram a divisão do reajuste anual de 2015 dos servidores municipais em duas parcelas.

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Blog do Rolim.