quinta-feira, 21 de abril de 2016

Esgoto leva moradores a bloquearem rua no Barcelona: de quem é a responsabilidade?


Os moradores do Residencial Barcelona bloquearam na tarde desta quinta, 21, a principal rua do bairro porque já não aguentam mais o esgoto que escorre sobre o asfalto constantemente. Eles reclamam que o Samae não tem prestado serviço a contento e por isso decidiram interditar a rua 34 em protesto pelos problemas na bomba elevatória de esgoto, que hoje voltou a parar de funcionar fazendo com que os dejetos voltassem para as casas e saindo, inclusive, pelas tampas da tubulação de esgoto na rua.

Os moradores, indignados, chegaram a colocar fogo em madeiras no meio da rua.

Pra completar, o mau cheiro podia ser sentido de longe. É o que relataram moradores de vários bairros das redondezas.

Mas e aí: de quem é a responsabilidade? Da Lorenzetti, que construiu o residencial ou do Samae, que tem cobrado taxa de esgoto dos moradores, mas não tem fornecido serviço de qualidade?

Há um jogo de empurra-empurra, enquanto isso os moradores convivem com o mau cheiro.

O diretor do Samae Wesley Torres reconhece que o Samae arrecada a taxa desgoto, mas afirma que a responsabilidade não é da autarquia. “No momento quem é responsável pela manutenção dos serviços na estação é a empreiteira que executou o empreendimento, mas não colocou este em perfeita funcionalidade. Enquanto esta não sanar as irregularidades tem que responder pela obra”, disse.

“Pensemos enquanto coletividade, o Samae é uma empresa pública, nossa, vamos gastar nosso dinheiro para resolver o problema, ou vamos exigir de quem lucrou milhões com a obra, e que tem por obrigação legal de resolver”, completou Torres.


O vereador Sílvio Sommavilla (PDT), presidente da Câmara, esteve no local e disse indignado que o Samae tem que tomar uma providência. "As pessoas pagam seus impostos, pagam pela água e pagam pelo serviço de tratamento do esgoto. E não podem ser tratadas dessa maneira. Isso é falta de respeito!", disse, afirmando que o caso se repete constantemente e já foi até mesmo noticiado pelos meios de comunicação, mas sem solução definitiva.
Ficam aí as perguntas aos responsáveis pelo setor de esgoto: até quando isso vai continuar? Até quando os moradores vão ter que conviver com essa situação desumana? Não é hora do Samae tomar uma providência?