terça-feira, 19 de abril de 2016

Falta de remédios: Vereadora questiona onde estão sendo gastos R$ 50 milhões do orçamento da Saúde

Marcos Figueiró
Assessoria

Azenate Carvalho (PSB) denunciou a falta de remédios em unidades de Saúde que visitou na semana passada. A vereadora contou ter ficado estarrecida ao verificar que farmácias das unidades estão vazias. Azenate também criticou a posição daqueles que defendem uma gestão que deixa faltar medicamentos para a população carente de Tangará da Serra, que precisa dos serviços de saúde pública.

“Em todos os lugares que fui, fiz a mesma pergunta: a falta de remédios começou depois do incêndio no almoxarifado? E todos disseram com a mesma voz: não, a falta começou antes. Há mais de seis meses Tangará não adquire medicação. Seis meses! Álcool, seringa, dipirona, antibiótico. Medicamentos básicos. Numa unidade, o médico tentava salvar uma criança com sintomas claros de alergia, mas não tinha medicação para aplicar na criança, que estava com os olhos inchados. O médico estava lá, fazendo o que podia, mas não tinha remédio. Tentando fazer alguma coisa, mas sem a menor possibilidade”, afirmou a vereadora Azenate.

A vereadora lembrou que o orçamento do Município dispõe de mais de 50 milhões só para Saúde. “E não venha dizer que atende alta complexidade, porque também não está atendendo. Hoje, a Prefeitura de Tangará está mandando pessoas com fraturas, que poderiam ser atendidas aqui, para Cuiabá. Que alta complexidade é essa?”, disse a parlamentar, ao chamar atenção para o fato de que o Município não dá previsão nem mesmo para a realização de exames simples.


O apoio a uma gestão que trata assim a saúde pública, segundo a vereadora, entristece. “Fico triste ao ver quem defende falta de remédio, falta de atenção das pessoas carentes. E ainda dizem que estão ao lado do povo. Que lado é esse que eu não entendo? Você está do lado é do prefeito, você ta querendo é ganhar eleição, fazer o povo de idiota. É constitucional, é obrigação do poder público manter a saúde pública. Tudo o que não se tem feito em Tangará. Nunca assumem a culpa da incompetência. Incompetência em coisas mínimas. Assuma. Não dou conta. Mas ainda acha que está fazendo tudo direito”, criticou Azenate Carvalho.